16 de Dec de 2017


Arrecadação federal surpreende e cresce forte em agosto

Avanço generalizado reforça perspectiva de recuperação econômica

Por: Geraldo Biasoto
21/09/2017 às 11h11

A Receita Federal do Brasil (RFB) divulgou dados extremamente favoráveis para a arrecadação de agosto de 2017. O total das receitas administradas pela RFB chegou a R$ 105 bilhões, com ganho real de 10,6% (deflacionado pelo IPCA) sobre o mês de agosto de 2016. O comportamento das receitas da RFB sem a receita previdenciária, que cresceu 4,4%, foi ainda melhor: 13,8% reais.

Vale ressaltar que o dado de ponta foi bastante superior ao dado acumulado no ano. A receita da RFB, de janeiro a agosto de 2017, foi 0,8% superior, em termos reais, à do mesmo período do ano anterior. A receita, exclusive previdência, apresentou expansão de 1,1%.

Importante atentar para o quanto o comportamento da receita indica elementos de reativação da produção e da renda. Comparando agosto de 2017 a agosto de 2016, o IPI geral apresentou aumento real de 3,1% e o IPI veículos subiu nada menos do que 58,9%. A COFINS e o PIS se comportaram de maneira semelhante sobre empresas não financeiras, com crescimentos reais de 8,1% e 8,9%, respectivamente.

Na tributação da renda e dos lucros, o desempenho foi muito expressivo. O IRPJ e a CSLL tiveram aumentos reais de 23,5% e 26,5%, na comparação de agosto contra agosto, com desempenhos expressivos tanto do setor financeiro quanto do real. Enquanto isso, o IR na fonte sobre o trabalho subiu 8,6% reais, superando o crescimento da receita previdenciária (+4,4%), sempre na comparação de agosto de 2017 contra o mesmo mês de 2016.

Não há dúvida de que o mês de agosto apresentou receita altamente favorável, como há muito não se via e este desempenho foi bastante distribuído entre os vários tributos e as diversas bases econômicas.

Professor de economia da Unicamp

MAIS NOTÍCIAS

Tesouro Nacional: resultado de outubro não foi tão ruim

Mas alcance da meta primária 2017 ainda depende de receita extraordinária.

Previdência Social “estrangula” as contas públicas

Déficit primário foi de 2,35% do PIB em doze meses até setembro

Arrecadação federal: a expansão vem do setor real

Destaque é a indústria automotiva.

Governo federal: capacidade de arrecadar é problema tão grave quanto controle dos gastos

Imposto de renda de pessoa jurídica despenca.