27 de May de 2019


Desemprego deve continuar caindo nos próximos meses

Expectativa de paulatina melhora do mercado de trabalho.

Por: Fabio Silveira
31/07/2017 às 17h18

Em junho, a taxa de desemprego da economia brasileira atingiu 13,0%, ou seja, aumentou 1,7 ponto percentual em relação a igual período de 2016. Trata-se de elevação menos acentuada do que a ocorrida em maio, quando este indicador do mercado de trabalho subiu 2,1 pontos percentuais, no comparativo mês versus igual mês do ano passado, alcançando 13,3%.

O desemprego é declinante pelo terceiro mês consecutivo, depois de bater o nível recorde de 13,7% em março, nesta série histórica iniciada em 2012.

O resultado de junho deveu-se à seguinte combinação:

a) Aumento de 16,4% da população desocupada, totalizando 13,5 milhões de desempregados (+ 1,9 milhões de pessoas); e

b) Crescimento de 1,3% da PEA (População Economicamente Ativa), alcançando 103,7 milhões de pessoas, o maior nível histórico já registrado.

O incremento de 16,4% da população desocupada é a menor variação ocorrida desde abril de 2016, quando o número de desocupados cresceu 14,0%.

Ainda em junho, a massa real de rendimento elevou-se 2,3%, por causa, fundamentalmente, do aumento de 2,5% do rendimento médio do pessoal ocupado, que atingiu o patamar de R$ 2.109,00. O avanço desta massa (que é importante indicador de desempenho do mercado de consumo) foi mais expressivo que o de maio, quando a variação interanual foi de 0,94%.

Para os próximos meses, a expectativa é de paulatina melhora das condições do mercado de trabalho, em virtude do horizonte de baixa dos juros reais – favorecendo a expansão do crédito – e de maior dinamismo de alguns setores da indústria brasileira, em particular dos que possuem vocação exportadora.

Nessas condições, para dezembro de 2017, estima-se que a taxa de desemprego situe-se em 11,8%, ficando abaixo da marca de 12%, atingida em dezembro do ano passado.


Mestre em economia pela Universidade de Grenoble (França) e pós-graduado pelo Instituto de Altos Estudos Internacionais e de Desenvolvimento de Genebra (Suíça). Economista formado pela USP. Foi superintendente de estudos setoriais e de investimentos do UNIBANCO, além de economista da Copersucar e do Senai. Atuou nas principais consultorias do país. Hoje é sócio-diretor da MacroSector Consultores.

MAIS NOTÍCIAS

Varejo brasileiro deverá crescer 2,5% em 2018

Impulsionado por supermercados e eletrodomésticos

Espera-se que Brasil crie 400 mil empregos em 2018

Principal motivo: baixa de juros ocorrida no país

Economia brasileira deve gerar 350 mil empregos formais em 2018

Comércio e serviços lideram as contratações

Mercado de trabalho deve gerar 450 mil empregos

Em função da melhora das atividades industriais e de serviços