24 de Jul de 2017


IBC-Br cresce no primeiro trimestre

Devendo, ainda, evoluir positivamente nos próximos meses.

Por: Fabio Silveira
16/05/2017 às 11h34

 

 

Em março, o IBC-Br (Índice de Atividade Econômica do Bacen) recuou 0,4% em relação a fevereiro, na série com ajuste sazonal, apresentando a primeira queda no ano. Desse modo, nos últimos 12 meses, estima-se que a economia brasileira declinou 2,78%.

Na comparação com o mesmo mês de 2016, o desempenho de março correspondeu a um avanço de 1,05%, na série sem ajuste sazonal; contabilizando, assim, nos últimos 12 meses, uma retração de 2,63%.

Diante desse desempenho, no primeiro trimestre de 2017, o IBC-Br, na série com ajuste sazonal, aumentou 1,12% sobre o quarto trimestre de 2016, interrompendo uma sequência de oito trimestres negativos.

Pelo lado da oferta, essa melhora do nível de atividade está em linha com a evolução de dois importantes indicadores macrossetoriais. Isto porque, no comparativo primeiro trimestre de 2017 versus trimestre imediatamente anterior, observou-se:

          a)Aumento de 3,3% do volume de vendas do varejo; e

          b) Incremento de 0,7 da produção industrial.

Para o segundo trimestre, em função da acentuada baixa dos juros e do bom desempenho da receita das exportações nos últimos meses, a expectativa é que o IBC-Br cresça 0,3% sobre o trimestre anterior; e registre avanço de 1% no fechamento de 2017.

Mestre em economia pela Universidade de Grenoble (França) e pós-graduado pelo Instituto de Altos Estudos Internacionais e de Desenvolvimento de Genebra (Suíça). Economista formado pela USP. Foi superintendente de estudos setoriais e de investimentos do UNIBANCO, além de economista da Copersucar e do Senai. Atuou nas principais consultorias do país. Hoje é sócio-diretor da MacroSector Consultores.

MAIS NOTÍCIAS

Mercado de trabalho melhora pelo terceiro mês consecutivo

Em junho, foram criados 9,8 mil empregos com carteira assinada.

Nível de Atividade do Banco Central recuou 0,51% em maio

Mas cresceu em relação ao mesmo mês em 2016.

Nível de atividade deve crescer 0,80% em 2017

Sustentado por exportações e consumo.

Reforma da Previdência e a curva nada normal da desigualdade

Sem ela, futuro será a bancarrota.