24 de Jul de 2017


IBC-Br mostra maior fôlego

Proxy do PIB brasileiro cresce pelo segundo mês consecutivo.

Por: Fabio Silveira
18/04/2017 às 13h20

Em fevereiro, o IBC-Br (Índice de Atividade Econômica do Bacen) aumentou 1,31% em comparação com janeiro, na série com ajuste sazonal. Este indicador é uma proxy do PIB brasileiro. A instituição informou também que o dado de janeiro foi revisado, passando de queda de 0,26% para alta de 0,62%. Deste modo, comparando-se o primeiro bimestre de 2017 com o bimestre imediatamente anterior, constatou-se, segundo este indicador, que a economia brasileira cresceu 1,24%.

Pelo lado da oferta, a melhora do nível de atividade deveu-se às seguintes variações, no comparativo primeiro bimestre de 2017 versus bimestre imediatamente anterior:

  1. Aumento de 4,3% do volume de vendas do varejo;
  2. Elevação de 1,7% das vendas de serviços; e
  3. Incremento de 1,1% da produção industrial.

Consumo e investimento ainda não mostram sinais de retomada, havendo, todavia, desempenho destacado do setor externo. No período janeiro-fevereiro, as exportações brasileiras totalizaram US$ 30,4 bilhões, ou seja, 23,6 acima dos dois primeiros meses de 2016.

A atividade econômica exibe sinais de maior dinamismo, devendo ganhar mais fôlego nos próximos meses, em função da tendência declinante dos juros domésticos, entre outros fatores.

Nessas condições, para este primeiro trimestre, prevê-se que o IBC-Br cresça 1,4% sobre o trimestre anterior; e registre avanço de 1% no fechamento de 2017.

   

       

Mestre em economia pela Universidade de Grenoble (França) e pós-graduado pelo Instituto de Altos Estudos Internacionais e de Desenvolvimento de Genebra (Suíça). Economista formado pela USP. Foi superintendente de estudos setoriais e de investimentos do UNIBANCO, além de economista da Copersucar e do Senai. Atuou nas principais consultorias do país. Hoje é sócio-diretor da MacroSector Consultores.

MAIS NOTÍCIAS

Mercado de trabalho melhora pelo terceiro mês consecutivo

Em junho, foram criados 9,8 mil empregos com carteira assinada.

Nível de Atividade do Banco Central recuou 0,51% em maio

Mas cresceu em relação ao mesmo mês em 2016.

Nível de atividade deve crescer 0,80% em 2017

Sustentado por exportações e consumo.

Reforma da Previdência e a curva nada normal da desigualdade

Sem ela, futuro será a bancarrota.