24 de Nov de 2017


IGP-DI registra deflação histórica em abril

Selic pode cair até 1,25 ponto percentual na próxima reunião do Copom.

Por: Fabio Silveira
09/05/2017 às 20h15

Em abril, o IGP-DI recuou 1,24%, registrando a maior deflação mensal desde janeiro de 1998, início da série elaborada pela FGV. Em abril de 2016, o índice tinha subido 0,36%; e, em 12 meses, acumulou alta de apenas 2,74%.

Essa baixa do indicador de inflação no atacado deveu-se à seguinte combinação:

a) Queda de 1,96% do IPA (Índice de Preços ao Atacado). Com participação de 60% no índice total, esse grupo sofreu forte pressão baixista dos preços de matérias-primas          (- 5,8%), em particular de minério de ferro (- 9,5%), soja (- 7,9%), milho (- 12,6%), mandioca (- 12,2%) e laranja (- 15,1%).

b) Recuo de 0,02% INCC (Índice Nacional da Construção Civil). Com participação de 10% no índice total, esse grupo foi influenciado, sobretudo, pelo declínio dos preços de materiais, equipamentos e serviços (- 0,05%).

c) Aumento de 0,12% do IPC (Índice de Preços ao Consumidor). Com participação de 30% no índice total, este grupo foi objeto de pressão altista por parte dos preços de alimentação (+ 0,69%), saúde e cuidados pessoais (+ 1,15%) e comunicação (+ 0,84%).

A acentuada retração do IGP-DI de abril fortalece a expectativa de que o Copom promova forte diminuição da taxa Selic em sua próxima reunião, prevista para os dias 30-31 de maio. Nesse encontro, é possível que ocorra até uma redução de 1,25 ponto percentual, em função da enorme ociosidade que predomina na economia brasileira. No momento, os juros básicos situam-se no patamar de 11,25% aa.

Mestre em economia pela Universidade de Grenoble (França) e pós-graduado pelo Instituto de Altos Estudos Internacionais e de Desenvolvimento de Genebra (Suíça). Economista formado pela USP. Foi superintendente de estudos setoriais e de investimentos do UNIBANCO, além de economista da Copersucar e do Senai. Atuou nas principais consultorias do país. Hoje é sócio-diretor da MacroSector Consultores.

MAIS NOTÍCIAS

Preços das mercadorias estão acelerando!

Pressão altista à vista sobre índices de preços.

IPCA-15 desacelera para 0,11% em setembro

Alimentos continuam sendo muito deflacionários.

Preços das mercadorias ficaram estáveis na semana passada

Alta dos combustíveis foi neutralizada pelo recuo dos produtos agrícolas.