24 de Nov de 2017


IPCA-15 aumentou 0,24% em maio

Copom deve cortar 100 pontos-base da taxa Selic.

Por: Carlos Cavalcanti
24/05/2017 às 18h06

A prévia da inflação de maio, medida pelo IPCA-15, subiu 0,24%, superando levemente a alta de abril (0,21%). Foi a menor taxa para os meses de maio desde 2000. Assim, nos últimos doze meses, o referido índice cresceu 3,77%, acumulando a menor elevação desde julho de 2007; e situando-se bem abaixo da meta oficial de inflação (4,5%).

Em relação ao referido aumento do IPCA-15, pode-se destacar que:

     a) O grupo Alimentos e Bebidas teve acréscimo de 0,42%, exercendo pressão altista de 0,11 sobre o índice geral de preços, em função do encarecimento de vários itens de ciclo curto de produção (batata-inglesa, tomate, cebola etc.).

     b) O grupo Saúde e Cuidados Pessoais apresentou incremento de 0,86%, exercendo pressão altista de 0,10 pp, por causa, em boa medida, da majoração de 2,08% do preço médio dos remédios;

     c) O grupo Vestuário subiu 0,74%, exercendo pressão altista de 0,04 pp, devido à mudança de estação;

Em contrapartida, no grupo Transportes, houve deflação de 0,40% (com impacto negativo de 0,07 pp), refletindo a diminuição de preços de passagens aéreas e combustíveis.

Como os indicadores de inflação permanecem nos níveis mais deprimidos dos últimos cinco anos, o Copom tende a realizar um corte de 100 pontos-base (1%) em sua próxima reunião (30-31 de maio).

A crise política atualmente em curso impede maior rebaixamento dos juros básicos da economia brasileira.


Colaboração: Marcos Henrique, economista da MacroSector.

Economista com pós-graduação pela Unicamp. Foi responsável pela área de economia do CIESP (2005-2007) e assessor da Presidência da ABINEE entre 2007 e 2016. Atualmente dirige a assessoria de economia do Sindipeças e é colaborador do EH.

MAIS NOTÍCIAS

Preços das mercadorias estão acelerando!

Pressão altista à vista sobre índices de preços.

IPCA-15 desacelera para 0,11% em setembro

Alimentos continuam sendo muito deflacionários.

Preços das mercadorias ficaram estáveis na semana passada

Alta dos combustíveis foi neutralizada pelo recuo dos produtos agrícolas.