24 de Jul de 2017


Juros ainda travam expansão do crédito

Saldo das operações recuou 2,2% em abril.

Por: Carlos Cavalcanti
25/05/2017 às 20h24

Em abril, o saldo das operações de crédito totalizou R$ 3,07 bilhões, segmentado entre R$ 1,58 bi para pessoas físicas e R$ 1,49 bi para pessoas jurídicas. Este saldo foi 2,2% menor que o de abril de 2016; e situou-se 0,2% abaixo de março.

Com o resultado de abril, a relação crédito / PIB recuou para 48,4%, ficando 3,4 pp aquém do mesmo mês  do ano passado.

Ainda em comparação com abril de 2016:

a) as operações com pessoas físicas cresceram 3,8%, sustentadas pela expansão do cartão de crédito e do crédito consignado; e as pessoas jurídicas encolheram 7,8%, em resposta à contração do crédito de capital de giro;

b) as operações com recursos livres caíram 3,2%, atingindo R$ 1,52 bi; e os recursos direcionados diminuíram 1,1%, situando-se em R$ 1,55 bi, devido à diminuição do volume de financiamento pelo BNDES; e

c) os setores de pessoas jurídicas com maior queda de crédito foram indústria (- 9,0%) e comércio (- 8,6%).

O risco das operações de crédito é ainda bastante expressivo, em virtude dos elevados níveis de juros reais e do preocupante patamar de inadimplência das famílias, além da falta de expectativa de crescimento mais firme da demanda.

Espera-se pelo arrefecimento de tal risco nos próximos meses, em face da atual tendência declinante dos juros básicos da economia brasileira.


 

Economista com pós-graduação pela Unicamp. Foi responsável pela área de economia do CIESP (2005-2007) e assessor da Presidência da ABINEE entre 2007 e 2016. Atualmente dirige a assessoria de economia do Sindipeças e é colaborador do EH.

MAIS NOTÍCIAS

Mercado de trabalho melhora pelo terceiro mês consecutivo

Em junho, foram criados 9,8 mil empregos com carteira assinada.

Nível de Atividade do Banco Central recuou 0,51% em maio

Mas cresceu em relação ao mesmo mês em 2016.

Nível de atividade deve crescer 0,80% em 2017

Sustentado por exportações e consumo.

Reforma da Previdência e a curva nada normal da desigualdade

Sem ela, futuro será a bancarrota.