24 de Jul de 2017


Mercado de trabalho gerou 59,9 mil empregos em abril

Melhor resultado mensal desde setembro de 2014.

Por: Economia Hoje
17/05/2017 às 18h55

Em abril, segundo o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), houve a criação (geração líquida) de 59,9 mil empregos formais. Este resultado foi muito melhor que o do mesmo mês de 2016, quando ocorreu a eliminação de 62,8 mil postos.

Desse modo, nos últimos 12 meses terminados em abril de 2017, o mercado de trabalho brasileiro contabilizou a extinção de 970 mil vagas formais. Trata-se de um desempenho:

  1. Relativamente mais favorável que o verificado nos últimos 12 meses terminados em março de 2017 (extinção de 1,090 milhão de vagas);
  2. Melhor que o observado nos últimos 12 meses terminados em abril de 2016 (destruição de 1,826 milhão de vagas)

A eliminação de postos de trabalho formais entre maio de 2016 e abril de 2017 (970 mil), deveu-se ao desempenho combinado dos seguintes setores:

  • Indústria: eliminação de 552,2 mil vagas;
  • Agricultura: criação de 9,0 mil postos de trabalho;
  • Comércio: Comércio: destruição de 118,9 mil empregos;
  • Serviços: eliminação de 295,9 mil vagas;
  • Administração Pública: extinção de 12,0 mil postos de trabalho

De todo modo, para os próximos meses, a expectativa é que o mercado de trabalho formal permaneça enfraquecido, por causa dos ajustes que continuarão sendo realizados nos setores de comércio e serviços, principalmente.

Nessas condições, para 2017, prevê-se a eliminação de 500 mil postos formais, promovendo uma destruição de empregos menor do que a verificada em 2016 (1,32 milhão de vagas).


MAIS NOTÍCIAS

Mercado de trabalho melhora pelo terceiro mês consecutivo

Em junho, foram criados 9,8 mil empregos com carteira assinada.

Nível de Atividade do Banco Central recuou 0,51% em maio

Mas cresceu em relação ao mesmo mês em 2016.

Nível de atividade deve crescer 0,80% em 2017

Sustentado por exportações e consumo.

Reforma da Previdência e a curva nada normal da desigualdade

Sem ela, futuro será a bancarrota.