24 de Jul de 2017


Nível de atividade deve crescer 0,80% em 2017

Sustentado por exportações e consumo.

Por: Economia Hoje
19/06/2017 às 19h45

Em Abril, o IBC-Br (Índice de Atividade Econômica do Bacen) subiu 0,28% em relação a Março, na série com ajuste sazonal. Com este resultado, no período Fev-Abr17, a proxy do PIB brasileiro aumentou 1,45% frente ao trimestre anterior (Nov16-Jan17); embora, nos últimos 12 meses, ainda mostre declínio de 2,66%.

Pelo lado da oferta, o avanço da economia brasileira, no referido trimestre, deveu-se à aceleração do varejo. No período Fev-Abr17, o volume de vendas do setor cresceu 2,0% sobre o período Nov16-Jan17, em função da evolução mais firme dos segmentos de tecidos, vestiário e calçados (+ 11,1%), móveis e eletrodomésticos (+ 6,3%) e livros, jornais e revistas (+ 4,5%).

Em contrapartida, impediram maior dinamismo do país nesse período:

a) Retração dos serviços. No período Fev-Abr17, este setor encolheu 0,93% ante o trimestre imediatamente anterior, por causa da contração, principalmente, das atividades de transporte aéreo (- 9,5%), outros serviços (- 7,3%) e serviços profissionais e administrativos (- 5,6%); e

b) A estabilidade da indústria, na comparação entre os mesmos períodos.

Pelo lado da demanda, o nível de atividade teve incremento de 1,45% no trimestre Fev-Abr17, refletindo a:

(1) Elevação, ainda que suave, do investimento, já que a produção de bens de capital (máquinas e equipamentos) teve incremento de  0,5%; e

(2) Queda menos acentuada (- 1,1%) do volume de crédito ao consumidor.

Nessas condições, em 2017, prevê-se que o IBC-Br crescerá 0,8%, dado o horizonte de relativa manutenção da competitividade das exportações, somado à perspectiva de melhora dos níveis de consumo e investimento no segundo semestre, que tendem a ser favorecidos pela redução dos juros reais para patamar da ordem de 4% a.a.

 

 

 

 

MAIS NOTÍCIAS

Mercado de trabalho melhora pelo terceiro mês consecutivo

Em junho, foram criados 9,8 mil empregos com carteira assinada.

Nível de Atividade do Banco Central recuou 0,51% em maio

Mas cresceu em relação ao mesmo mês em 2016.

Reforma da Previdência e a curva nada normal da desigualdade

Sem ela, futuro será a bancarrota.

PIB brasileiro cresce no primeiro trimestre

Setor externo foi o motor principal.