26 de May de 2018


5 PERGUNTAS: Alex Perry

Por: Roberto Nemr
02/10/2017 às 13h18
Alex Perry é um dos grandes jornalistas contemporâneos especializados em África, tendo viajado pelo continente por mais de uma década para escrever The Rift – A New Africa Breaks Free, publicado em 2015 pela Weidenfeld & Nicolson de Londres.
Entrevista realizada por Roberto Nemr.






1
Senhor Perry, comparando o seu livro com o de Martin Meredith (Short History of Africa), podemos observar mais otimismo em relação ao futuro e à autossuficiência do continente. Embora a região tenha avançado no campo econômico, no combate a doenças e na redução da pobreza, ainda há graves problemas institucionais, marcados pelas tendências a autocracias (Kagame, Mugabe, Teshome), ao crescimento da corrupção (Nigéria, Angola, África do Sul, Sudão do Sul), a guerras civis (Congo, República Centro-africana, Burundi) e ao terrorismo (Somália, Quênia, Mali). Mesmo assim, é possível ter uma resultante positiva para o continente ou a frustração é inevitável?
Eu não acho que a dicotomia que você destaca, a mesma que a maioria dos comentaristas sobre a África apresenta, é realmente confirmada pela realidade do continente. Desenvolvimento não é um caminho suave para a prosperidade, mas sim um processo difícil, com altos e baixos, que produz ricos e pobres e que, muito frequentemente, gera algum tipo de desbalanceamento, desigualdades e ressentimentos sociais que levam a rebeliões e revoluções. Olhe os últimos mil anos de história europeia, ou veja a história mundial: onde o desenvolvimento foi pacífico? A conexão entre o avanço generalizado de longo prazo e a manifestação de crises de curto prazo é bastante manifesta, tanto mais que eu penso que a última coisa que se deve buscar é um Estado totalmente pacífico e plácido. Esse é um país que realmente não vai a lugar algum.
Dito de outro modo, significa que eu vejo as crises que você menciona como parte do processo. Algumas são realmente horripilantes. Outras podem destruir países inteiros. É evidente que as atrocidades e as injustiças devem ser apontadas, sendo os governos e os líderes que as causaram devidamente responsabilizados. Mas, nada disso significa que a África não esteja andando para frente. Está, e o progresso é um fenômeno humano inevitável, de fato. Nós temos que entender que o avanço de longo prazo pode ser, em termos imediatos, incrivelmente sanguinário e custoso. Milhares de anos de história nos mostram que, tristemente, esta é a natureza do processo.



2
Assim como o Brasil, a África se beneficiou dos elevados preços de commodities e investimento da China nos últimos 13 anos. Com preço das commodities mais baixo e Investimento Direto mais limitado, as taxas recentes de crescimento são sustentáveis?
De fato, a África tem se distanciado de ser uma economia centrada em commodities nos últimos vinte anos. Aproximadamente 75% do crescimento, atualmente, é função de setores não ligados a commodities, especialmente serviços. Isso é o que acontece quando qualquer economia se desenvolve: uma das formas em que esta maturidade se manifesta é na diversificação. Países e setores que se deram melhor na África na última década tendem a não depender em demasia de commodities. Então, eu tendo a ver este ponto da centralidade das commodities como meio ultrapassado. Hoje, a África tem bancos de bilhões de dólares, companhias de tecnologia, cadeias de sushi e serviços de entrega por drones. Commodities não importam da mesma maneira como antes.


3
Como você menciona no livro a África tem 60% do potencial arável do mundo. É possível que aconteça, nos próximos 20 anos, a mesma revolução agrícola que vimos no Brasil, onde a produtividade dobrou? Ou a falta de direitos adequados de propriedade, instabilidade política, falta de investimento em maquinário e padrões irregulares de clima podem comprometer a produtividade e segurar o crescimento da produção agrícola?
Vejo a agricultura mecanizada como uma das grandes esperanças da África. A terra agrícola no continente tem sido histórica e cronicamente sublavrada, principalmente em áreas do continente que são simplesmente vazias e em pequenos terrenos dependentes de chuva, com quase zero de investimento. A África é tão grande e tão subpovoada, que usar esta terra produtivamente é uma oportunidade tão incrível, que não posso ver a agricultura de outro modo a não ser como um fantástico motor do crescimento. Tanto é que isso já está acontecendo no continente, principalmente no Vale de Rift. O mais incrível é a disseminação rápida do potencial para mitigar os efeitos de mudança climática, já que as temperaturas em áreas onde o Saara foi reflorestado (regreened) caíram em média cinco graus. É literalmente a coisa mais “cool” que eu já testemunhei.


4
Sendo o continente com a mais alta taxa de natalidade do mundo, o aumento da produção agrícola é uma necessidade. Isso também é válido para a industrialização, uma vez que o foco em commodities não produz empregos suficientes. Desse ponto de vista, o seu crescimento populacional será um bônus ou ônus?
A preocupação com o crescimento populacional esquece o contexto em que essa expansão está ocorrendo, sendo sempre retratado como um pesadelo malthusiano, que inevitavelmente produzirá fome e migração em massa. Isso não faz sentido. A África é o lugar da Terra menos densamente povoado. Mesmo que sua população atinja quatro bilhões de pessoas ao final deste século, ainda será muito menos povoada do que a Índia, a China ou a maior parte da Europa. Além disso, seu crescimento populacional está produzindo cidades e conectividade que são os motores do desenvolvimento e cuja falta foi justamente o que manteve a África atrasada por tanto tempo. Adicione uma população declinante e envelhecida na Europa e uma população jovem, crescentemente alfabetizada e educada na África - muitas vezes fluente na língua inglesa, francesa ou portuguesa - mais o crescimento da subcontratação e da sublocação, devido à evolução crescente da comunicação e da globalização, e eu diria que estamos olhando para a mão de obra global do futuro. E não só de trabalhadores de menor qualificação, como acontece hoje, mas sim de escriturários, advogados, engenheiros, pessoal médico e administradores, como já acontecem na Ásia.


5
Como lidar com a corrupção, que também é um problema sério para o Brasil? Será que o lema “Sim ao Investimento, Não à Corrupção” que você menciona no livro conseguirá se afirmar ou a condescendência continuará prevalecendo?
A corrupção se combate com cobrança democrática, algo que está evoluindo na África. Está longe da perfeição, é claro, e o caso da África do Sul é o maior exemplo de como a corrupção pode piorar antes de melhorar no curto e no médio prazo. Entretanto, países como Senegal, Quênia ou Zâmbia apresentam níveis semelhantes de corrupção da Itália ou do Brasil. É grande coisa, mas não é suficiente para levar o país inteiro para o fundo do poço e sempre há esperança de melhora.


Economista formado pela Universidade de São Paulo (USP) e consultor de investimentos para os mercados brasileiro e latino americano. Ex-diretor de portfólio para América Latina do Banco Itaú. Foi diretor geral da Genesis Investment Management.

MAIS NOTÍCIAS

Mercado de trabalho deve gerar 450 mil empregos

Em função da melhora das atividades industriais e de serviços

Estima-se que varejo crescerá 3% neste ano

Em resposta à expansão dos salários e do crédito

Produção de veículos tende a crescer 13% em 2018

Devido à melhora de vendas domésticas e exportações

Por que o preço das ações da Petrobras está em alta?

Um dos motivos: tipo Brent já superou os US$ 75 / barril