26 de May de 2018


5 PERGUNTAS: Carlo Alberto Brioschi

Por: Roberto Nemr
27/07/2017 às 15h36
Jornalista, autor e editor. Entre vários livros, escreveu "Il malaffare" (2011) e "Il politico" (2014).
Entrevista realizada por Roberto Nemr.






1
Senhor Brioschi, a ex-presidente Dilma Rousseff se referia à corrupção como a “velha senhora”. Apesar de deposta após denúncias de irregularidades em seu governo, ela tinha razão. Seu livro mostra o quão presente a corrupção está na história humana, desde a Mesopotâmia até a América atual. O Senhor acha que devemos tolerar certa dose de corrupção como inevitável?
A corrupção é, na verdade, uma “dama jovem”, sempre em forma e atraente para os agentes públicos e administradores privados. Uma espécie de ser eterno capaz de se renovar e se adaptar, de acordo com o tempo e o lugar. Não pode ser eliminada, assim como não se pode erradicar o crime e o roubo, mas pode ser combatida com a mesma determinação (a única – notável – diferença é que quem comete a agressão pode eventualmente coincidir com quem deveria evitá-la).
Há, claro, uma escala na gravidade destes crimes e desvios de conduta, mas não há como distinguir entre a má e a “honesta rapina”, tese apresentada por George W. Plunkitt, famoso membro do Tammany Hall, a máquina eleitoral e política que comandou a cidade de Nova Iorque, com propinas e favores ilícitos, desde o fim do Século XVIII até o começo do Século XX.


2
Comparando a operação italiana “Mãos Limpas” com a brasileira Lava Jato, o resultado na Itália foi Berlusconi; e nada, de fato, mudou substancialmente (ou mudou?). O senhor pensa que a probabilidade de mudanças também é baixa no Brasil?
A operação Mani Pulite, que começou em 1992, com a prisão, em Milão, de um diretor socialista de um asilo de idosos, levou a uma incrível sucessão de prisões e confissões, que, ao fim, abalou todo o panorama político nacional nos anos seguintes, pavimentando o caminho para o governo do magnata Silvio Berlusconi.
O novo primeiro-ministro, infelizmente, não só falhou ao combater a corrupção, como alegaram muitos eleitores, mas, ao contrário, envolveu-se em uma série de grandes escândalos. Isso não significa que as investigações foram inúteis. Um esquema de financiamento ilícito de partidos foi desmantelado e toda uma elite dirigente foi punida. Desde então, a corrupção não morreu, claro, mas teve que encontrar outros meios de manifestação.
Investigações e escândalos, como Lava Jato ou Mani Pulite, podem atacar o problema e curar algumas feridas, mas não nos desobriga de continuar observando os novos personagens da cena política, para que ele não caia nos erros do predecessor.


3
A moderna tecnologia pode ser grande aliada na luta contra a corrupção, pois permite acessar informações on-line e maior transparência. Sempre vão existir modos de esconder o ilícito, como dinheiro vivo, ouro, bitcoin etc, mas o jogo está se virando contra a corrupção, como a criação do CRS (Common Reporting Standard - troca automática de informações entre bancos e fiscos), supervisão bancária, cooperação da Interpol, iniciativas do Departamento de Justiça americano, Corte de Justiça Internacional etc. Qual é sua visão?
A tecnologia é um instrumento extraordinário, mas depende de quem a usa e com que propósito, naturalmente. Pode facilitar a transparência, que é fundamental na luta contra a corrupção, mas, claro, pode ser usada por hackers e especuladores, em fraudes ou lavagem de dinheiro, por exemplo. A web, o jornalismo cidadão e, crescentemente, a mídia viral à disposição de denunciantes estão aumentando, rapidamente, o número de denúncias de malfeitos e demandas por transparência.
Se certas barreiras de silêncio e conivência parecem cair, envolvendo vínculos de governos com paraísos fiscais, ao mesmo tempo, novos esconderijos surgem constantemente, junto com diferentes formas de ilegalidades públicas e privadas.


4
O balanço maquiavélico entre fins e meios ainda vale hoje ou os meios podem ser tão deletérios à ética pública, que acabam afetando os fins?
Maquiavel criticava os retratos ideais de governantes possuídos de “pureza angelical”, típicos de seu tempo, mas não era a favor de um Príncipe corrupto. O pensador florentino ainda pode ser útil em nossos dias. Devemos lembrar que sua teoria é, de fato, baseada na oposição entre co-existência civil e ação política, de um lado; e corrupção, de outro.
Aos olhos de Maquiavel propinas significavam, em qualquer caso, falta de virtude; e, em seus escritos, a procura por moral e remédios institucionais para prevenir corrupção política é um tema recorrente. A queda do império romano, em sua visão, foi, principalmente, devida aos vícios e à decadência da classe política.


5
O movimento recente em direção a governos autoritários em vários países (Turquia, Egito, Tailândia, Filipinas etc) e o aumento do populismo em países desenvolvidos podem significar uma diminuição no combate à corrupção? Por outro lado, Narendra Modi, na Índia, está tentando diminuir a corrupção pela substituição de papel-moeda; e na China, a retórica anti-corrupção está em alta, mas falta transparência. A Rússia é controlada, inescrupulosamente, por pouquíssimos grupos políticos; na África e América Latina, a corrupção é muito presente etc. A vontade política para combater a corrupção em escala global deve prevalecer ao fim e ao cabo?
Não sou tão pessimista em relação ao presente ou ao futuro próximo. No livro, uma rápida recapitulação ao longo dos séculos permite vislumbrar um processo cíclico: nos pontos altos de más práticas, em que não se esconde a dimensão e o alcance do roubo e a impunidade da classe política, esforços sempre emergem para produzir reformas, de modo a reduzir a prática de propinas.
Para cada Verres (120-43 a.C.), um governador corrupto da Sicília, quando era uma província rica do Império Romano, sempre havia um Cícero pronto a condenar suas práticas. Os roubos de Júlio César foram combatidos por Metellus; Martinho Lutero levantou-se em protesto contra os excessos de clientelismo do papa Leão X. Cada ladrão (de toda classe e natureza) teve que enfrentar um adversário, com variados graus de sucesso ou fracasso para cada um.
O historiador conservador Edmund Burke lutou contra os crimes de Warren Hastings, o primeiro governador das Índias Orientais Britânicas; o socialista Giacomo Matteotti (1885-1924) levantou sua voz no parlamento italiano contra Mussolini. A batalha pelo poder político frequentemente faz uso do “pé-de-cabra” de acusações politicamente motivadas ou legais contra a natureza corrupta do governante ou líder. O método pode parecer heterodoxo, mas, deste modo, o mecanismo de alternância no poder tende a funcionar mais eficientemente.


Economista formado pela Universidade de São Paulo (USP) e consultor de investimentos para os mercados brasileiro e latino americano. Ex-diretor de portfólio para América Latina do Banco Itaú. Foi diretor geral da Genesis Investment Management.

MAIS NOTÍCIAS

Mercado de trabalho deve gerar 450 mil empregos

Em função da melhora das atividades industriais e de serviços

Estima-se que varejo crescerá 3% neste ano

Em resposta à expansão dos salários e do crédito

Produção de veículos tende a crescer 13% em 2018

Devido à melhora de vendas domésticas e exportações

Por que o preço das ações da Petrobras está em alta?

Um dos motivos: tipo Brent já superou os US$ 75 / barril