24 de Jul de 2017


Pós-Temer: três cenários possíveis

País precisa de um presidente que inspire confiança.

Por: Roberto Nemr
19/05/2017 às 17h54

Devido ao comprometimento da governabilidade do atual Presidente Temer, pode-se dizer que existem três cenários alternativos:

  1. Michel Temer renuncia ao governo, sem medo de ser preso, sendo substituído pelo Presidente da Câmara Federal. A agenda econômica é mantida, há uma renovação de ares e o presidente-tampão, com sorte, consegue terminar o mandato;
  2. No próximo dia 6 de junho, daqui 19 dias, o TSE impugna a chapa Dilma-Temer. A Presidência da República é entregue a um candidato de consenso, com bom trânsito no Congresso, para prosseguir com uma agenda positiva. Tasso Jereissati e o ex-Presidente Fernando Henrique são possibilidades. Bom cenário, sem muito stress; e
  3. É votada a PEC das eleições diretas. É o cenário mais estressante, demorado e arriscado, à la Coreia do Sul. Seria uma antecipação do risco 2018, mas com economia ainda fraca. Não é necessariamente um desastre. A vitória do ex-Presidente Lula está longe de ser uma certeza, dado o elevado índice de rejeição e acúmulo de denúncias. De todo modo, qualquer candidato que assuma terá que encarar uma agenda minimamente reformista ou haverá a instalação de completo caos. A vantagem deste cenário é trazer a valor presente o fantasma de 2018.

 

Os principais problemas do Brasil são a enorme dívida pública e a falta de crescimento econômico. Reformas são essenciais, mas é necessário também haver uma plataforma voltada ao crescimento. Um presidente mais popular e comprometido com reformas resgataria a possibilidade de implantação de um tipo de New Deal e a recuperação da confiança, fundamental para o retorno do espírito de risco.

O governo Temer é, por natureza, de transição. O Brasil não dará uma guinada radical, pois não há espaço para isso. Neste momento, está purgando seus pecados, mas tende a sair fortalecido. Podemos avançar. Não caminharemos no sentido de uma ditadura à moda da Turquia, nem de um caos similar ao da Venezuela.

Não precisamos também repetir a tragédia que assolou a Grécia anos atrás. Pode-se perfeitamente crescer com uma taxa de câmbio mais competitiva, juros menores, inflação sob controle e, claro, orçamento equilibrado. Tudo isso requer, entretanto, um presidente que inspire confiança, una a nação e nos convença de que o futuro será melhor que o presente.

 

Economista formado pela Universidade de São Paulo (USP) e consultor de investimentos para os mercados brasileiro e latino americano. Ex-diretor de portfólio para América Latina do Banco Itaú. Foi diretor geral da Genesis Investment Management.

MAIS NOTÍCIAS

Inflação em baixa no mundo (a de preços, não de ativos) cria estabilidade duvidosa

Vivemos situação de calma aparente.