27 de May de 2019


Produção industrial cresceu 0,5% em setembro

O crescimento vem depois de queda de 3,5% e 0,1% nos meses anteriores.

Por: Rafael Teixeira
08/11/2016 às 18h12

 

Em setembro passado, a indústria brasileira cresceu 0,5% frente ao mês anterior, na série com ajuste sazonal. O crescimento vem depois de queda de 3,5% e 0,1% nos meses de agosto e julho.

Comparando com setembro do ano de 2015, o setor diminuiu 4,8%. A retração da indústria agora acumula 7,8% no ano de 2016, e 8,8% no acumulado dos últimos doze meses.

Apesar do crescimento de 0,5%, três dos grandes ramos do setor industrial apresentaram resultado de queda na passagem de agosto para setembro: Bens de Capital, Bens de Consumo e Semiduráveis e não Duráveis.

Além disso, chama a atenção o enorme recuo de 19,8% e 21,2% de Bens de Capital e Duráveis, respectivamente, nos últimos 12 meses. Por conta da grave crise vivenciada no país, a indústria atualmente se encontra 20,7% abaixo do nível recorde de junho de 2013.

Essas grandes categorias também são destrinchadas em 24 ramos pesquisados, onde apenas 9 apresentaram variações positivas. Destaque para “produtos alimentícios” (6,4%), “indústrias extrativas” (2,6%) e “veículos automotores, reboques e carrocerias” (4,8%). Na contramão ficaram os setores de “máquinas, aparelhos e materiais elétricos” (-8,1%), “perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene pessoal” (-2,7%),  “produtos de minerais não-metálicos” (-5,0%) e “produtos farmoquímicos e farmacêuticos” (-6,2%).  

Em suma, entendemos que o resultado do setor industrial em setembro passado não autoriza otimismos, já que está longe de indicar um início de recuperação.

Economista pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro; MBA em Finanças Empresarias pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Três anos de experiência profissional na área de estruturação de projetos.

MAIS NOTÍCIAS

Varejo brasileiro deverá crescer 2,5% em 2018

Impulsionado por supermercados e eletrodomésticos

Espera-se que Brasil crie 400 mil empregos em 2018

Principal motivo: baixa de juros ocorrida no país

Economia brasileira deve gerar 350 mil empregos formais em 2018

Comércio e serviços lideram as contratações

Mercado de trabalho deve gerar 450 mil empregos

Em função da melhora das atividades industriais e de serviços