24 de Jul de 2017


Reforma da Previdência e a curva nada normal da desigualdade

Sem ela, futuro será a bancarrota.

Por: Roberto Nemr
06/06/2017 às 14h14

A questão estrutural básica hoje do Brasil é a Previdência. Cada país tem seus problemas e muitos terão que lidar com o envelhecimento da população, além da necessidade de financiamento dos mais velhos, como França, Itália, Japão, etc. Basicamente, com o avanço da medicina, as pessoas estão vivendo mais e, por outro lado, a taxa de fecundidade vem caindo.

No caso do Brasil, a taxa era de 4 a 5 filhos por casal nos anos 60; e hoje está um pouco abaixo de 2 filhos, o que seria menor que a taxa de reposição da população. Ou seja, estamos envelhecendo e temos menos mão-de-obra economicamente ativa para pagar pelos benefícios dos aposentados.

O ciclo fortemente recessivo dos últimos dois anos acentuou o problema, já que os empregados com carteira assinada e contribuição previdenciária da empresa (que representa 30% do salário) diminuíram proporcionalmente. O recolhimento aos cofres da previdência também enfrenta o desafio da terceirização, trabalho precário, pejotização* e, possivelmente, da reforma trabalhista.

A presente reforma em trâmite no Congresso inclui o estabelecimento de uma idade mínima de 65 anos para homens e 62 para mulheres com regra de transição, 40 anos de contribuição para benefício integral, também com regra de transição, equiparação das regras para funcionários públicos e INSS, entre outros pontos. Já é um abrandamento em relação à proposta inicial, mas com a crise política envolvendo a Presidência corre-se um risco adicional, o de protelação.

As contas têm que fechar e, para isso, ou se reduz a pensão ou se prolonga o período de contribuição; ou, ainda, empreende-se as duas coisas ao mesmo tempo.

É isso que a reforma almeja. Outro aspecto menos discutido é a injustiça flagrante de quem se aposenta no Brasil. A verdadeira elite dos aposentados, tanto em termos de idade, quanto de valor recebido, são os 310 mil funcionários públicos inativos que representam aproximadamente 15% do total dos gastos da previdência. Já a metade dos aposentados, ou seja, 15 milhões de pessoas recebem 13% do total de gastos com benefícios previdenciários.

E não é só isso. A renda média do aposentado militar é 8 vezes maior que a média nacional e do funcionário público aposentado civil e 7 vezes maior que a média do sistema. A injustiça maior ocorre nas pensões, que absorvem hoje 25% do total das despesas da previdência, é vitalícia e muitas vezes imediata, aplicável a casamentos muitas vezes de conveniência da pessoa idosa com uma jovem (ou vice-versa). Isso criou a indústria da pensão no Brasil, onde um jovem garante renda vitalícia ao estabelecer relacionamento estável com um ou uma aposentado(a). Também nas pensões, as grandes distorções ocorrem no funcionalismo público.

É necessário parar de drenar recursos do Erário a pessoas perfeitamente aptas a trabalhar e a usar um instrumento que deveria ser distribuidor de renda e não concentrador de renda. Sob pena de termos o mesmo destino da Grécia ou do Rio de Janeiro, onde não há mais recursos para pagar aposentados e não se paga; ou se atrasa; ou paga-se menos.

A outra opção é reformar a previdência, aumentando contribuições de quem pode pagar mais, funcionários públicos, militares e civis, ativos e aposentados, evitando que o peso da redução recaia nas costas tão somente dos mais pobres e desprotegidos. É necessário aumentar a idade mínima e o tempo de contribuição, reduzir as fraudes, aumentar a contribuição dos funcionários e rever profundamente as regras de pensão.

O gasto total da Previdência é de R$ 450 bilhões / ano. Somando Estados e Municípios chega-se acima de R$ 700 bilhões. Em 20 anos, a proporção de idosos acima de 65 anos vai dobrar, passando de 15% para 30% da população total. A proporção de população ativa para aposentados vai pular de 8 por 1 para 4 por 1. Não precisa de muita matemática para provar que a dinâmica atual é insustentável.

O PIB brasileiro em 2016 atingiu, em valores correntes, R$ 6,2 trilhões, ou seja, gastamos 12% de nossa renda total em população inativa, quase 40% de todo o gasto governamental primário (excluindo juros). Só para efeito de comparação, a média da OCDE (maioria constituída de países ricos) é 8%, variando de 1,5% para México e 14% para Portugal. Nosso número é dos maiores em países em desenvolvimento, lembrando que na América Latina, Chile, México e Peru operam um sistema de acumulação e não pay-as-you go** como no Brasil.

Essa proporção do PIB no Brasil tende a continuar crescendo se nada for feito, tornando o pagamento dos direitos em 10 anos uma inviabilidade contábil. Não é uma questão ideológica, mas aritmética pura e simplesmente. Se o futuro da presidência é incerto, o da previdência é certíssimo. Sem reforma, a bancarrota é o único caminho.

(*) Pejotização: Refere-se à contratação de serviços pessoais, exercidos por pessoas físicas, de modo subordinado, não eventual e oneroso, na tentativa de disfarçar eventuais relações de emprego.

(**) Pay as you go : Regime de financiamento de seguridade em que não há formação de reservas.

Economista formado pela Universidade de São Paulo (USP) e consultor de investimentos para os mercados brasileiro e latino americano. Ex-diretor de portfólio para América Latina do Banco Itaú. Foi diretor geral da Genesis Investment Management.

MAIS NOTÍCIAS

Mercado de trabalho melhora pelo terceiro mês consecutivo

Em junho, foram criados 9,8 mil empregos com carteira assinada.

Nível de Atividade do Banco Central recuou 0,51% em maio

Mas cresceu em relação ao mesmo mês em 2016.

Nível de atividade deve crescer 0,80% em 2017

Sustentado por exportações e consumo.

PIB brasileiro cresce no primeiro trimestre

Setor externo foi o motor principal.