24 de Jul de 2017


Serviços diminui 2,4% em outubro

Foi o pior resultado mensal desde que se iniciou o levantamento.

Por: Rafael Teixeira
16/12/2016 às 02h19

 

Em outubro, na série com ajuste sazonal, o setor de serviços diminuiu 2,4%, sendo o pior resultado de qualquer mês desde 2012, quando o levantamento começou a ser divulgado pelo IBGE.

Esse péssimo resultado vem após recuo de 0,3% em setembro e 1,6% em agosto. Comparando com o mesmo mês do ano anterior, a queda já se encontra em 7,6%. No acumulado do ano, a contração está em 5,0% e 5,1% nos últimos doze meses. Chama a atenção que as receitas nominais do setor também terem caído (1,3%), num contexto de inflação ainda elevada, porém declinante.

Dos cinco maiores componentes de atividades econômicas analisadas, na série com ajuste sazonal, apenas “Serviços prestados à família” variou positivamente, com apenas 0,1% de aumento. Por outro lado, variaram negativamente: “Serviços de informação e comunicação” (-3,1%), “Serviços profissionais, administrativos e complementares” (-1,9%), “Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio” (com assombrosos -7,0%) e “Outros Serviços” (-0,5%).

Analisando os números em relação ao mesmo mês no ano anterior, os maiores destaques negativos ficam por conta de “Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio” (-13,5%) e “Serviços prestados à família” (-6,8%), ambos são seguidos de “Serviços profissionais, administrativos e complementares” (-5,7%), “Outros serviços” (-4,5%) e “Serviços de informação e comunicação” (-4,4%).

Economista pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro; MBA em Finanças Empresarias pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Três anos de experiência profissional na área de estruturação de projetos.

MAIS NOTÍCIAS

Comércio varejista mostrou razoável desempenho em maio

Próximos meses tendem a ser mais favoráveis

Comércio varejista mostrou maior fôlego em abril

Baixa de juros e inflação impulsionam vendas.

Comércio varejista ainda patina

Em março, as vendas no varejo caíram 1,9%.